Opinião

Aconteceu no final do mês de outubro de 1979. Pela primeira vez – e, até hoje, a única no nosso país – as trabalhadores domésticas juntavam-se no Pavilhão dos Desportos de Lisboa para realizar o seu primeiro congresso nacional, sob o lema “Dizemos não à servidão”. Nos meses anteriores, o Sindicato do Serviço Doméstico multiplicara reuniões preparatórias e, em junho desse ano, lançara um Inquérito à Opinião Pública, que pretendia formar as delegadas sindicais no contacto com a população, pô-las a socializar, a comunicar na rua, a fazer entrevistas e a distribuir material, a chamar a atenção da sociedade para o Congresso.

Resoluções Mesa Nacional

Notícias

Visita do Bloco de Esquerda a Olo, Amarante.

 

Ontem, segunda-feira, dia 12 de outubro, uma comitiva do Bloco de Esquerda de Amarante e a deputada eleita pelo círculo do Porto visitaram a freguesia de Olo, em Amarante. A delegação encontrou-se com representantes da junta de freguesia, com dirigentes da Associação Amar Olo e residentes para avaliar no local os impactes ambientais que a linha de muito alta tensão irá causar à população, que segundo o projeto passará muito perto do centro da aldeia.

Os habitantes de Olo reivindicam um outro traçado, longe do centro de aldeia e que passa em zona de baldio e reduzindo a exposição humana a campos elétricos e eletromagnéticos derivados de linhas, de instalações ou de equipamentos de alta tensão (AT) e muito alta tensão (MAT), exigindo a salvaguarda da saúde pública. E essa alternativa mostra-se possível, tivera a população sido auscultada em 2010 e novamente em 2018 após a mais recente alteração do traçado que coloca a linha ainda mais próximo das populações.

Notícias

Visita do Bloco de Esquerda a Olo, Amarante.

 

Ontem, segunda-feira, dia 12 de outubro, uma comitiva do Bloco de Esquerda de Amarante e a deputada eleita pelo círculo do Porto visitaram a freguesia de Olo, em Amarante. A delegação encontrou-se com representantes da junta de freguesia, com dirigentes da Associação Amar Olo e residentes para avaliar no local os impactes ambientais que a linha de muito alta tensão irá causar à população, que segundo o projeto passará muito perto do centro da aldeia.

Os habitantes de Olo reivindicam um outro traçado, longe do centro de aldeia e que passa em zona de baldio e reduzindo a exposição humana a campos elétricos e eletromagnéticos derivados de linhas, de instalações ou de equipamentos de alta tensão (AT) e muito alta tensão (MAT), exigindo a salvaguarda da saúde pública. E essa alternativa mostra-se possível, tivera a população sido auscultada em 2010 e novamente em 2018 após a mais recente alteração do traçado que coloca a linha ainda mais próximo das populações.

Assinalando o crescimento contínuo da receita global da Derrama no Município da Maia, o BE entende que o executivo não deve mostrar receio de reduzir as taxas deste impostos para promover o emprego no contexto da crise pandémica. Assim, o Grupo Municipal do Bloco de Esquerda propôs a isenção até aos 50.000€ de lucro, a isenção entre os 50.000€ e os 150.000€ na condição da criação de pelo menos 1 posto de trabalho permanente ou 2 não permanentes com duração mínima de 1 ano e a aplicação da taxa de 1,5% para as empresas com lucros acima dos 150.000€.

20.11.2020

não disponível